< Voltar para notícias

Rumos do confinamento em debate

Em um ano com tantas incertezas no cenário econômico, a melhor arma é a informação. Este foi o propósito do 3º Encontro de Confinadores, realizado entre os dia 22 e 24 de fevereiro pela Premix,  indústria de nutrição animal, no Rio de Janeiro.

Com um público formado por pecuaristas, técnicos e especialistas em gestão, economia e política, o evento traçou um cenário para pautar as decisões dos criadores. “O nosso objetivo é ajudar o pecuarista a tomar as decisões adequadas na gestão de suas propriedades em um ano tão cheio de desafios”, afirma Marcio Guidolin, diretor comercial da empresa.

“Ano confuso”, esta foi a definição de Maurício Palma Nogueira, coordenador da divisão de pecuária da Agroconsult, para 2016.  Segundo ele,  a relação de troca entre o bezerro e o boi gordo está 12% menor que há 10 anos, “a queda da margem é uma realidade e somente com tecnologia o pecuarista conseguirá sobreviver” afirmou o especialista, que simulou seis niveis de tecnologia com base em sistemas de produção para que o criador possa avaliar qual a melhor estratégia para sua propriedade.

Alexandre Mendonça de Barros,  sócio e consultor da MB Agro,  apresentou as perspectivas para o agronegócio, especialmente sobre a produção de milho.  “Acredito que a oferta de milho melhore a partir de abril e os preços se acomodem em patamares mais baixos a partir de julho. A menos que os preços internacionais sofram novos abalos por causa do clima”, afirma, referindo-se à La Niña, fenômeno climático que pode reduzir a incidência de chuva sobre os milharais norte-americanos.

O evento também contou com a presença do prof. Clóvis de Barros Filho, doutor e docente na Escola de Comunicações e Artes da USP, que falou sobre ética nos negócios; o executivo e consultor especializado em gestão empresarial Sérgio Queiroz Bezerra, que trouxe uma palestra sobre inovação; E a Ph. D. em nutrição de ruminantes Tanya L. Covey, que abordou recria no confinamento e mostrou importantes pontos para o sucesso nesta etapa do negócio. A jornalista e palestrante Lillian Witte Fibe falou sobre o cenário político e econômico e fez duras críticas ao governo; o diretor técnico e P&D da Premix, Lauriston Bertelli, que detalhou as inovações e o desenvolvimento da empresa.

Os pecuaristas João Maria de Almeida Júnior, Felipe Lemos, Ricardo Lerosa e Almir Francisco Moraes, que apresentaram cases de sucesso no confinamento, encerraram as palestras com uma mesa redonda recheada de perguntas.

Confina+ – O lançamento de uma plataforma específica para o estudo da viabilidade de cada confinamento atendido pela empresa foi um dos destaques do evento. A tecnologia calcula a relação entre o custo e os benefícios  da atividade de acordo com número de cabeças disponíveis, raça, peso de entrada, ganho diário de peso, tempo no confinamento, preços dos insumos, ração, aditivos, além de custos com mão de obra e veterinário, entre outros, com a possibilidade de diferentes simulações para que a melhor decisão seja tomada pelo criador.

“A ideia é que tenhamos um banco de dados rico em informações que contribuam com a rentabilidade de cada cliente”, comenta Amanda Oliveira, Coordenadora de Confinamento da Premix.

Fonte da Notícia
Jornal DBO